Espetáculo “Argonautas de um mundo só”

Espetáculo de BH faz parte do Programa Vivo Encena 

Clique na imagem para visualizar


Realizada pelo agrupamento de artistas O Coletivo, com direção do convidado Júlio Vianna, “Argonautas de um mundo só” fica em cartaz em Uberlândia, no período de 25 a 27 de janeiro, no Teatro Rondon Pacheco, no centro, a 10 minutos de carro da Toca do Calango.


A peça estreou em Belo Horizonte em dezembro de 2012 e realizou, posteriormente, temporada de sucesso nas duas primeiras semanas de janeiro durante a Campanha de Popularização do Teatro. 

Em cena, os Usuários P, X, F e G, iluminam relações humanas marcadas pela virtualização das práticas cotidianas. Durante a peça, que será transmitida online, o público poderá interagir com os atores, via aparelho celular e internet, além de postar mensagens no blog e facebook do espetáculo e de enviar vídeos. Com patrocínio da Vivo, por meio do Programa Vivo EnCena, o projeto é realizado com recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais. 

Em “Argonautas de um mundo só”, as personagens navegam em mares bravios da Internet, como na mitologia grega que inspira o título – sobre a saga de heróis que, capitaneados por Jasão, rumam em perigosa expedição a Cólquida, em busca do Velocino de Ouro.


“Perfis” (sejam eles virtuais ou não), conforme sugere o enredo, coabitantes de um espaço físico qualquer, são vivenciados pelos atores Alexandre Vasconcelos, Flávia Fernandes, Priscilla D´Agostini e Glauco Mattos. 

No espaço físico-virtual, as personagens vivem a incessante busca do outro e de si mesmos, como explica o diretor: “Pela tela de seus dispositivos móveis, pela janela de seu quarto, pelo espelho, pelo calor advindo de um disco rígido entorpecido e inquietante, pelo olhar difuso e sem foco (mesmo com megabytes e megapixels admiráveis), essas personagens anseiam e promovem encontros e buscas infinitas e socialmente acolhedoras, fomentando sua própria sorte/vício/tentação”.

Depoimentos intimistas, registros audiovisuais, partituras corpóreas e intensa articulação entre atores, espaço e objetos compõem a linguagem fragmentada, em histórias entrelaçadas por tensões, ambiguidades e afetos. Segundo Vianna, “o espetáculo não quer, assim, dar respostas, mas trazer reflexão e ação, ao inundar-se de perguntas e questionamentos sobre nós, ´bicho-máquina-homem´, em tempos de relações permeadas por elementos de comunicação virtual”.

Interação

Vídeos enviados no início da apresentação poderão ser utilizados em cena e, para isso, um computador será disponibilizado no foyer do espaço teatral. Durante a peça, o público poderá manter computadores e aparelhos celulares ligados, em modo silencioso, e postar mensagens no blog do espetáculo que será transmitido on line. Conforme o diretor, a intenção é ainda problematizar situações típicas da realidade atual, relativas às condições de conexão, acesso e velocidade da rede, que afetam as relações midiatizadas.

A proposta de promover a interação com o público faz parte de pesquisa desenvolvida, desde 2010, pelo agrupamento de artistas O Coletivo, sobre processos criativos que articulam linguagem teatral e tecnologia, bem como sobre o impacto das tecnologias digitais nas relações humanas. A investigação sobre o tema foi iniciada por ocasião do espetáculo “Máquina de Pinball”, que estreou em 2008 e faz parte do repertório do grupo. Vai ter oficina também


Em Uberlândia, o diretor convidado Júlio Vianna irá ministrar a oficina de temática “Criação cênica a partir de elementos presentes no universo virtual” , no dia 26 de janeiro (sábado), de 14h às 17h30, na Universidade Federal de Uberlândia.

A oficina trata da exploração de temas, conteúdos e situações advindos da relação humana com o universo virtual, propondo uma criação dramatúrgica (texto e cena), a partir de uma análise pessoal e coletivizada, de elementos potencialmente teatralizáveis existentes nesse contexto. Essa temática foi material de pesquisa no processo que culminou no espetáculo Argonautas.

A oficina é voltada para profissionais de artes cênicas, é gratuita e as vagas são limitadas. Inscrições e informações da oficina pelo email dagostini.priscilla@gmail.com

Trajetória 

Julio Vianna é Mestre em Teoria da Literatura / literatura e outros sistemas semióticos; graduado em Artes Cênicas pela Escola de Belas Artes/UFMG. Dirigiu, entre outros: “Uma idéia maluca”, “Ponto de ônibus”, “Sessão das Duas”, “O Ser Sepulto”, “Uma mulher só”, “Valsa no. 6”, “RE-toques”, “Quixote” (co-direção), “Através das Sombras” e “Uma tartaruga chamada dostoievsky”. Atuou nas peças: “No natal a gente vem te buscar”, “Saltimbancos”, “Alelava Odedé”, “Curupira”, “Boca de Ouro” e “Quixote”. É co-fundador e integrante da Cia. 4comPalito, desde 2001. O Coletivo reúne, desde 2006, artistas que se interessam pelas temáticas da contemporaneidade e têm como proposta o desenvolvimento de possibilidades de atuação através do exercício colegiado de diferentes papéis e funções nas criações artísticas . É um agrupamento em que os integrantes têm a liberdade de ir e vir e exercer funções diferentes em cada percurso, montagem e desdobramentos. Também é característica do grupo convidar criadores de outras áreas artísticas. 

Com as peças “Um Céu de Estrelas” (de Fernando Bonassi, direção de Yara de Novaes) e “Cabaré Humor” (coordenação dramatúrgica, direção de Sérgio Abritta, 2007), ganhou o Prêmio Funarte Miriam Muniz 2006. Céu de Estrelas foi indicado para as categorias de melhor cenário e melhor atriz coadjuvante. O espetáculo Máquina de Pinball (da obra de Clarah Averbuck, adaptação livre de Marina Viana e direção de Gil Esper), ganhou o prêmio Funarte Miriam Muniz de Teatro 2007. Apeça recebeu ainda o Prêmio de Espetáculo Destaque, Melhor Figurino e Melhor Cenário no Festival Nacional de Teatro de Juiz de Fora, em 2008, e indicações de melhor espetáculo, melhor direção e melhor ator coadjuvante no Prêmio Sinparc Usiminas 2008. Selecionada para participar do Festival Internacional de Teatro de BH (FIT 2010), ganhou o prêmio Procultura de Estímulo ao Circo, Dança e Teatro nesse ano.

Vivo EnCena

O Vivo EnCena, programa cultural da Vivo para as artes cênicas, estimula a conexão de projetos e promove o intercâmbio de pessoas em diferentes estágios de suas carreiras. O teatro é pensado além do espetáculo, sendo estabelecida uma rede de ações de difusão, circulação, mobilização e formação por todo país, compartilhando histórias inspiradoras, conceitos inovadores e ideias transformadoras no âmbito das artes cênicas. O programa é realizado há dois anos, está presente em 18 Estados do país e já patrocinou mais de 50 projetos continuados, além de realizar projetos próprios e a curadoria do Teatro Vivo e do Grande Auditório do MASP, na cidade de São Paulo. Utiliza o teatro como ferramenta de acesso, reflexão, inclusão, autonomia e transformação com o objetivo de trazer resultados positivos sobre a trajetória e sustentabilidade de todos. 

Blog: http://espetaculoclique.blogspot.com.br

Serviço 

Quando: de 25 a 27 de janeiro de 2013 – sexta e sábado às 21h e domingo às 19h.

Onde: Teatro Rondon Pacheco- Rua Santos Dumond, 517 – Centro, Uberlândia – MG
Classificação: 14 anos.
Ingresso: R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia-entrada).
Diretora de produção: Priscilla D´Agostini- dagostini.priscilla@gmail.com (31) 9994 9393 ou (31) 3463-3141
Produtor Local: Trupe Tamboril de Teatro – Uilson Fernandes 
Informações no espaço: (34) 3235-9182
Realização: O Coletivo Patrocínio: Vivo, por meio do Programa Vivo EnCena 
Divulgação: eai negocios
Incentivo: Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais

TOCA DO CALANGO – suítes e quartos
individuais para alugar em uberlândia
acesse: www.tocadocalango.com.br

Comentários estão desabilitados no momento.