OUTRAS OPÇÕES

NO INÍCIO DOS SEMESTRES LETIVOS NAS UNIVERSIDADES ALUNOS BUSCAM POR MORADIA!

A TOCA DO CALANGO, ALUGUEL DE CASAS, APARTAMENTOS E REPÚBLICAS ESTÃO ENTRE AS OPÇÕES

Com o início das aulas nas universidades e nas escolas de Uberlândia, ocorre naturalmente o aumento na busca por moradias na cidade para os estudantes que vem de fora da cidade. São muitos os alunos aprovados na UFU pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e também os aprovados em vestibulares nas Faculdades Particulares e eventualmente da própria UFU.

Em pesquisa realizada, mais de 70% dos aprovados disseram ser de outras cidades e, caso tivessem se matriculado estariam, teoricamente, procurando moradia em Uberlândia.

Alugar um imóvel na cidade (casa ou apartamento) não é fácil, principalmente pela burocracia exigidas pelas imobiliárias.

Outras opções para os calouros são os pensionatos ou repúblicas montadas juntamente com outras pessoas. Alguns estudantes preferem quartos, suítes (quartos com banheiro privativo) ou quitinetes independentes, como as vagas oferecidas pela Toca do Calango. Já outros possuem a possibilidade de morar com seus parentes, antes de partirem para morar sozinhos.

Entre as escolhas para os estudantes, que vêm de fora para estudar em Uberlândia, estão os aluguéis de casas e apartamentos, que oferecem privacidade ao morador, mas acarretam o pagamento de contas extras, como a energia elétrica, água, IPTU e taxas de condomínio. O valor médio somente dos aluguéis, era, segundo informado pelo Jornal Correio de Uberlândia em Janeiro de 2012, variava de R$ 400 a R$ 900, de acordo com a localização, padrão do imóvel e o número de quartos (tamanho do imóvel).

Já nos Pensionatos, os valores médios mensais era, no início de 2012, de R$ 550, sem almoço e jantar, e R$ 770, com café da manhã, almoço e jantar.

Segundo o jornal, naquela época, as repúblicas estavam com valor médio mensal, por pessoa, de R$ 300 a R$ 400 – dependendo do bairro e da quantidade de moradores, salientando que para os aluguéis mais baratos os estudantes devem considerar também os custos de transporte para a universidade, pois os imóveis normalmente são mais distantes dos campi (ou então são imóveis precários).

MORADIA NA UFU

Já foi divulgado que a UFU vai disponibilizar vagas para estudantes carentes na Moradia Estudantil, que foi inaugurada no fim de 2012. A Moradia Estudantil da UFU está localizada no fim do bairro Tibery, quase no Bairro Custódio Pereira, nas proximidades da BR-050.

Quanto à opinião dos próprios estudantes, muitos foram contra a construção do prédio e a favor da continuidade da bolsa moradia, pois 152 vagas não atendem ao número de alunos da UFU que necessitam de local para morar em Uberlândia. Outro fator é a UFU ter escolhido uma localização ruim, lonje dos campi e de pontos comerciais. Para os alunos se deslocarem da moradia até um dos campi, haverá necessidade de transporte e, obviamente, aluno carente não possui recursos para arcar mais este tipo de custo. Com a bolsa, o estudante poderia optar por morar em qualquer lugar, como por exemplo, dividindo despesas em uma república, morando confortavelmente na Toca do Calango ou ainda se alojando em um pensionato, em região mais apropriada (no Umuarama, no Santa Mônica, nas proximidades do Glória ou da Educação Física e não no fundo do Tibery, na beira da rodovia). Quem é contra a moradia da UFU, alega que o valor investido na construção do prédio e a manutenção, incluindo a necessidade permanente de segurança e de regras de convivência, se investido em bolsas, atenderia a muito mais alunos por muito mais tempo.

A obra teve início em fevereiro de 2010 e custo de R$ 7.044.241,62. Se este valor fosse aplicado na poupança, por exemplo, somente os juros da aplicação atenderia a aproximadamente 140 estudantes com bolsas de R$300,00, sem que houvesse a necessidade de gastos mensais com manutenção predial, recursos administrativos, de segurança e funcionários. A moradia atenderá a aproximadamente 152 bolsas/alunos a cada ciclo de 5 anos, ou seja, só 12 a mais que apenas os juros do investimento proporcionariam. Fora os juros mensais, só os 7 milhões custeariam mais de 23 mil bolsas ou 383 bolsas/alunos durante 5 anos. Além disso, alguns estudantes reclamam que a localização é ruim e que, para se deslocarem até os campi, terão que ter despesas com transporte ou, caso a UFU, como programado, disponibilize linha de ônibus para os alunos, o custo mensal será ainda maior. Ou seja, o retorno do investimento (payback) é de 163 anos porque, descontando os juros e analisando que são somente 12 alunos atendidos a mais por mês nenhum administrador que se preze faria tal investimento (um matemático ou administrador aí que nos ajude, talvez um da UFU mesmo, mas não se esqueçam dos custos de manutenção, segurança, administração que não computamos aqui…achamos que a conta dos anos vai ser maior)

Outro fator será a quantidade de pessoas por apartamento, pois o número é de 6 alunos por unidade. Neste modelo, parece que o exercício da convivência será um desafio para a UFU e para os estudantes.

Críticas à parte, obviamente a moradia irá beneficiar a muitos estudantes, mas os que já se imaginam morando lá, é necessário pensar que haverá um processo seletivo que dará prioridade a alunos carentes. Aos que não se encaixarem: Toca do Calango!

A Moradia Estudantil não é o único programa de apoio aos estudantes visando a permanência deles na Universidade. São oferecidos, também, o bolsa moradia, a bolsa alimentação e o bolsa transporte, além de outras ações, todas financiadas, principalmente, pelo Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES.

Já para os que são a favor da moradia alegam que, sendo uma moradia permanente, atenderá melhor a necessidade dos estudantes, amparados pela própria Universidade, mas esta mesma reconhece que a oferta de vagas ficou muito inferior à demanda.

Sobre as inscrições, a UFU informou que serão abertas sempre no fim de Março de cada ano, sob a responsabilidade da DIASE. Isso parece ser uma incoerência com relação ao início das aulas quando falamos dos ingressantes do semestre seguinte, aprovados nos modelos de acesso à universidade. Como alunos os carentes permanecerão na cidade no primeiro semestre? Isso já não seria um tipo de segregação? Como será a seleção desses alunos em caso de empate? São poucas das muitas perguntas que ainda virão sobre este modelo.

Das 152 vagas ofertadas em 24 apartamentos disponíveis (como já dissemos, 6 pessoas por apartamento), duas são para PNE”s – Portadores de Necessidades Especiais, o que certamente é um ponto positivo, mas se o transporte não for adequado, não terão serventia as vagas especiais (não dá para um não portador de necessidade especial ir a pé para os campi diariamente…quanto mais para um cadeirante).

A definição de aluno carente e a classificação para as vagas serão comprovadas e acordo com critérios definidos pelo Ministério de Desenvolvimento Social, obviamente, por se tratar de um benefício federal. Antigamente a UFU adotava outros requisitos para a distribuição de diferentes bolsas, como a do RU (Restaurante Universitário) e oferecia, inclusive, a possibilidade de o aluno trabalhar no próprio restaurante para “pagar” pela refeição. Será que haverá algum requisito adicional para as moradias? Será que também irão oferecer aos alunos a possibilidade de trabalharem para “pagar” a moradia?

ANÁLISE DAS OPÇÕES:

Para quem não se encaixa nos requisitos para a moradia da UFU ou para os que se encaixam mas não conseguirem vagas, é bom analisar as opções a seguir:

TOCA DO CALANGO

O valor médio mensal se aproxima às despesas de repúblicas, variando conforme o tamanho do quarto e se é kitinete ou não.

Prós: vagas no estacionamento, só uma pessoa por quarto, liberdade, privacidade e segurança proporcionadas por um imóvel cujos proprietários acompanham de perto o funcionamento. As despesas estão inclusas (IPTU, aluguel, condomínio, água, energia elétrica – com limitação por medidores individuais) e a limpeza das áreas comuns é garantida pelos proprietários, uma vez por semana. Na Toca do Calango, as cozinhas e áreas de serviço já são equipadas com os eletrodomésticos e a estrutura adequada. O local também oferece alarme e videomonitoramento. Já o contrato é feito diretamente com os donos do condomínio, facilitando bastante a contratação.

Contras: existem responsabilidades e regras definidas para os moradores, como limpar o que sujou na cozinha e na área de serviço (todas as vezes que usar) e a dificuldade de se encontrar vagas, principalmente no início dos períodos letivos. Também existem tarefas domésticas com relação aos cuidados pessoais (lavar e passar roupas, cozinhar, limpar), caso o estudante não opte por terceirizar essas atividades. Também há limitação de vagas para carros no estacionamento (5 carros – para motos não há problemas).

APARTAMENTOS OU CASAS

Valor médio: R$ 600 a R$ 900, conforme localização, padrão do imóvel e número de quartos, podendo chegar a R$3.000,00 nas imediações dos campi.

Prós: liberdade, privacidade e segurança proporcionadas por um imóvel alugado, o qual o estudante passa literalmente a ser o dono.

Contras: em qualquer imóvel alugado, existem responsabilidades para os moradores, como a preocupação com as condições do imóvel, contas (IPTU, aluguel, água, energia elétrica, condomínio, despesas com reformas, TV a cabo, internet) e as tarefas domésticas relacionadas a todo o imóvel (lavar e passar roupas, cozinhar, limpar áreas internas e externas).

PENSIONATOS, HOTÉIS, HOSTELS, ALBERGUES, PENSÕES E POUSADAS

O valor médio de um pensionato era, em Janeiro de 2012, de R$ 770 (com café da manhã, almoço, jantar, internet, faxina na casa, TV a cabo, roupas limpas e passadas) ou R$ 550 (sem almoço e jantar)

Prós: o universitário não precisa se preocupar com as tarefas domésticas se optar pelas despesas em torno de R$ 770.

Contras: Visitas? Nem pensar, ou quando permitem, são desorganizados. A falta de privacidade é um problema, pois poucos oferecem o “luxo” de ofertar quartos para uma só pessoa e, mesmo assim, muitas vezes não se trata de suíte e o morador acaba tendo que dividir o uso do banheiro. Quando há um quarto com banheiro exclusito, o valor ultrapassa R$1.100,00 por morador. Já os estabelecimentos comerciais (hotéis, pensões e pousadas), cobram valores muito altos para mensalistas e o hóspede tem que se adequar a horários e condições impostas, além de encontrar pessoas diferentes no mesmo ambiente com o passar dos dias, o que pode não ser muito seguro.

Já o Hostel é uma opção pra quem precisa ficar por pouco tempo e com custo baixo. Em 2018 Uberlândia vai contar com o hostel de verdade: Hostel Toca do Calango, que será inaugurado em sede própria na Rua Marciano Santos, 92, a uma quadra da UFU Santa Mônica, bem do ladinho da faculdade.

REPÚBLICAS

O valor médio era, em Janeiro de 2012, de R$ 300 a R$ 400, dependendo do bairro e da quantidade de moradores dispostos a dividir as despesas.

Prós: as despesas de uma república é dividida pelo número de moradores e por isso reduz os gastos do estudante no fim do mês.

Contras: praticamente não há privacidade – em algumas repúblicas os quartos chegam a ser compartilhados por dois e até por quatro moradores, levando um apartamento a abrigar de 6 até 8 pessoas (como vai ser o caso da moradia da UFU, com 6 por apartamento). Além disso, a responsabilidade pelo contrato de locação às vezes cai nas mãos de uma única pessoa (como no caso de aluguel de apartamentos e casas) e, quando a república se desfaz (o que não é incomum devido a desavenças entre os estudantes), essa pessoa acaba ficando responsável pela entrega do imóvel ao proprietário ou imobiliária tal qual o mesmo se encontrava (pintado/reformado), arcando com todas as despesas para a devolução, além de ver suas despesas mensais subindo com a saída dos antigos colegas. Noutras situações, quando as regras não são claras ou não são cumpridas, as condições de higiene deixam a desejar ou sobrecarrega um dos moradores, principalmente nos banheiros e nas cozinhas. Isso sem falar que muitos imóveis ou condomínios colocam restrições para aluguel para repúblicas.

DICAS PARA QUEM PRETENDE SE MUDAR PARA UBERLÂNDIA A ESTUDO OU A TRABALHO:

TOCA DO CALANGO

Preencher com antecedência o nosso Cadastro e responder imediatamente ao chamado dos proprietários quando a vaga surgir, pois a oportunidade pode ser perdida no mesmo dia em que a vaga é aberta. Pra quem pretende passar apenas uns dias, o Toca do Calango Hostel é a melhor opção, que será inaugurado em breve.

DEMAIS OPÇÕES

Antes de alugar um imóvel, pesquise o preço e a localização do imóvel. Avalie se a localização não vai prejudicar a locomoção até a universidade, local de trabalho ou até a serviços básicos, como por exemplo uma padaria, supermercado, farmácia e hospital. Na Toca do Calango você não vai ter problemas quanto a isso pois é pertinho de tudo.

Busque referências da imobiliária ou do proprietário e, antes de assinar o contrato, exija o laudo de vistoria do imóvel. Se for desocupar o imóvel, solicite nova vistoria e devolva as chaves à imobiliária ou ao proprietário, mediante documento que comprove a devolução.

Se for Pensionato, confira se o local oferece tranquilidade para os momentos de estudo. Pesquise referências de outros estudantes que moraram no pensionato.

Se for república, saiba que o ambiente normalmente é mais animado (às vezes tem muitas festas), porém nem sempre é o mais organizado ou tranqüilo o suficiente para os estudos. Antes de se mudar, combine horários de estudo com os futuros colegas da república. Acerte previamente os direitos e deveres de cada morador, incluindo a responsabilidade pela assinatura do contrato de aluguel do imóvel. É importante que sejam definidas, antes antes de tudo, quais serão as despesas de cada morador. Certa vez ouvi de um morador da Toca do Calango que, na república onde ele morava, era obrigado a pagar as despesas do almoço mesmo almoçando diariamente no Restaurante Universitário com a seguinte alegação “a comida estava aí, você não comeu porque não quis”. Respeitar a individualidade é fundamental para que se tenha um convívio sadio na república. Não se esqueça de que em muitas repúblicas um dos membros é o dono do imóvel e que por isso, quer queira ou não, ele é quem “manda”. Em outras situações pode se tratar de golpes.

E a regra que não pode ser esquecida: visite o imóvel antes de antecipar qualquer pagamento, checando inclusive as credenciais de quem o está apresentando, para saber se é o próprio proprietário ou procurador do mesmo, evitando assim os golpes do aluguel (veja a matéria). Nunca confie apenas em anúncios da internet e de jornais e nunca faça depósitos ou transferências para contas bancárias, pagamento de boletos ou pagamentos pela internet (Wester Union, PayPal, Pague Seguro, etc) com base somente nesses tipos de anúncios.

Saiba mais lendo esses dois artigos escolhidos pela Toca do Calango especialmente para te orientar sobre as repúblicas: Postagem do Mundo das Tribos e também essa Matéria do G1.

Veja que na Toca do Calango as preocupações com o estabelecimento de regras não são necessárias, pois elas já existem.

Deixe uma resposta